Diretoria aprova plano de lutas da Federação

Depois de um intenso debate sobre conjuntura e reforma da previdência, a diretoria da Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe aprovou na tarde do sábado, 30 de março, a prestação de contas de 2018, o balanço e o plano de ações das entidades para 2019.

Os dirigentes aprovaram uma ampla agenda de mobilização para os próximos meses. No eixo político, a luta será em defesa da democracia, dos direitos, do Estado Brasileiro, e dos bancos públicos, ampliar a campanha contra o desmonte da previdência e da seguridade social, combater os ataques aos movimentos sociais e defender a Constituição.

No campo especifico, a Federação vai ampliar a luta por saúde e segurança nos bancos, garantia de emprego, melhores condições de trabalho, para ampliar a participação das mulheres e da juventude nas atividades sindicais e fomentar a formação dos dirigentes.

Está programado também a realização de cursos de formação regionais, evento da juventude e das mulheres, além da 21ª Conferência Interestadual, que acontecerá nos dias 1º e 2 de junho, em Salvador.

Balanço – O presidente da Federação, Hermelino Neto, apresentou também o balanço das atividades no primeiro ano do mandato, relembrando as lutas encampanadas pela entidade durante o período, os eventos realizados e os esforços no campo institucional para garantir os direitos dos bancários da Bahia e Sergipe.

“Os debates, foram muito importantes, pois nós discutimos a situação do mundo, do país, a relação desse governo com os movimentos sociais. Reforçamos a percepção sobre a necessidade de resistência de união, principalmente, em torno da luta contra a reforma da previdência. A exposição do Dieese deixou a agente mais convencido da necessidade de resistir, de informar a população que esta proposta é ainda mais nociva do que a gente imaginava. O que eles querem é acabar com o conceito de aposentadoria. É entregar ao mercado, ao rentismo, a previdência pública”, afirmou o presidente da Feebbase.

Sobre o plano de ações, a Federação vai continuar trabalhando em parceira com os sindicatos, para ampliar a luta em busca de direitos. “A Federação não está preocupada apenas com a questão salarial e da categoria, a nossa luta vai muito além disso. A nossa luta institucional é por uma sociedade mais justa e pelos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras. Vamos continuar focados nisso. Vamos investir também na formação e no debate de ideias, esta deve ser a marca deste ano”, concluiu Neto.

ASCOM/Feeb